sábado, 3 de janeiro de 2015

Tarte de Flan (Flan Pâtissier)


Todas as noites a minha irmã transporta um copo de água pelas escadas, para o pôr em cima da mesinha de cabeceira durante a noite. Numa noite, enquanto dormia, deu uma patada no copo, que caiu da mesinha de cabeceira (com cerca de 1 metro de altura). Ouviu o copo cair no chão mas, com a preguiça, decidiu só limpar no dia seguinte. Quando acordou estava prestes a fazer isso quando reparou que o copo estava no chão.
De pé.
Com a água toda dentro.
(Salpicos omitidos por motivos dramáticos.)

***

Num belo dia de sol eu e a minha irmã decidimos fazer tarte de flan. 
Era de manhã quando começamos a fazê-la, e correu mal desde o início: a massa da base não ficou moldável, era granulosa e não estava  fina ou uniforme. 
Levamos a base ao forno e entretanto fizemos o recheio, que ficou todo engrumado; no meio do pânico e da vontade de deitar tudo fora, esquecemo-nos da base (que, já agora, estava enqueijada e revelhida, lembrava uma cabeça encolhida e cheirava a queijo com bolor) no forno. 
Depois de continuar a mexer o recheio ele ficou mais cremoso, e pudemos finalmente pô-lo na base diabólica, que ficou demasiado baixa E com bordas não niveladas. Levamos ao forno, e logo a seguir reparámos que nos tínhamos esquecido do último ingrediente. 
50 minutos e uma lavagem de panela pegajosa depois, quando tiramos a tarte do forno, pudemos observar, onde deveria estar uma tarte de flan, um balão feio e cinzento. O padrão não estava uniforme. O recheio parecia demasiado líquido.
Pusemo-la no congelador atolado, e passado algum tempo a minha irmã foi ver como estava. 
Miraculosamente, ATÉ PARECIA BOA. 
E então, em câmara lenta e com um "NÃÃÃO" grave e sonoro, escorregou. 
Gostava de poder dizer que a física voltou a congeminar para a aterragem perfeita, mas a tarte deu uma maravilhosa volta de 180º e esborrachou-se graciosamente no meio do chão, onde se partiu num monte de pedaços juntamente com o meu fragilizado coração.
Depois de inspirar Munch e considerar mudar de casa só para não enfrentar a materialização da minha desilusão apanhei as desoladoras peças. Dei um bocado à minha avó (o chão estava limpinho, já agora).
E ESTAVA BOM.
Apesar das emoções fortes saí para uma corrida (que, já agora, contrariou todas as ideias sobre produtos lácteos e exercício aeróbico). Quando mais tarde cheguei a casa, uns pássaros beliscadores de comida elevaram a divino o nível de deliciosidade da tarte. 
E esta é a história de uma tarte que já fiz umas 20 vezes, desta feita com massa quebrada ou folhada e deixada a arrefecer numa mesa idilicamente plana, o que tem sido eficaz na diminuição da taxa de tartes dilaceradas.
Ou de como a gravidade é careta*. 

*adjetivo maravilhoso recentemente redescoberto, assim como um site para download de «Os Miúdos do Recreio».









Tarte de Flan (Flan Pâtissier)
Adaptado daqui
Para uma tarte, cerca de 8 fatias gigantes ou 16 pequenas

Ingredientes:

[  1 embalagem de massa quebrada ou folhada redonda
[  1L de leite gordo
[  400ml de natas
[  2 vagens de baunilha
[  3 ovos M
[  2 gemas de ovo (M)
[  180g de açúcar
[  130g de amido de milho
[  3 colheres de sopa de vinho do porto (ou rum)

Preparação:

| Abrir a massa e forrar com ela uma forma redonda de fundo amovível com cerca de 25cm de diâmetro.
| Furar muito bem toda a massa com um garfo.
| Nivelar e ajustar as bordas.
| Juntar num tacho grande o leite e as natas.
| Abrir as vagens de baunilha e raspar o interior para o tacho. Colocar também a própria vagem.
| Levar a lume médio, mexendo de vez em quando.
| Quando fervilhar, desligar o lume e coar para um recipiente
| Bater num recipiente à parte os ovos, as gemas e o açúcar com uma batedeira elétrica (na velocidade máxima) até aumentar de volume e ficar uma mistura mais pálida e esbranquiçada (demora cerca de 5 minutos).
| Peneirar para o creme de ovos o amido de milho. Bater com a batedeira na velocidade mínima, apenas para incorporar.
| Juntar o leite e natas ao preparado dos ovos, mexendo rapidamente com uma vara de arames (para não cozer).
| Colocar a mistura no tacho de novo e levar a lume médio. Mexer rapidamente sem parar (raspar bem o fundo).
| Quando começar a engrossar e a formar alguns grumos, diminuir o lume e mexer bem, rapidamente, até que se forme um creme espesso (cerca de 6 minutos no fogão).
| Incorporar o vinho do Porto/rum.
| Retirar do calor e mexer vigorosamente com uma vara de arames até que a mistura fique bem cremosa.
| Colocar na forma preparada e alisar.
| Levar ao forno pré-aquecido a 180 graus durante aproximadamente 50 minutos.
| Deixar arrefecer completamente.
| Se desejado, levar ao frio algumas horas antes de servir. Se não, manter à temperatura ambiente,




Só aconselho a fazer esta tarte a quem não se importe de ter toda a gente que a provar a pedir um exemplar em cada ocasião que envolva comida, porque isto é uma espécie de maldição. Passei umas 5 semanas consecutivas a só fazer tarte de flan como bolo, e parei porque já estava a precisar de variedade (sim, porque por vontades exteriores à minha pessoa continuava até não haver natas à face da Terra).
A tarte fica com um sabor baunilhado mesmo agradável, uma característica película superficial e aquele toquezinho de culinária francesa. Pessoalmente gosto mais dela à temperatura ambiente, já que fica com uma textura mais cremosa e um sabor mais forte um bocado (talvez também seja por estar um frio de morrer).
Fica melhor do que eu alguma vez sonharia e muito parecido com os das pastelarias, com o padrão, a película superficial e a massa fina. Quando começa a engrossar fá-lo através de uma espécie de alastração de grumos (como cada um dos 50 tipos de creme de pasteleiro que já fiz - aliás, o procedimento é bastante semelhante), mas basta continuar a mexer (às vezes cansa um bocado) que fica bem cremoso. O que me assustou quando saiu do forno é normal - parece inchado, mas depois assenta e faz aquelas dobras adoráveis em cima, assim como aquela espécie de mancha escura. Tendo em conta isto e o atalho da massa pré-feita acaba por ser muito simples (mas o tacho sujo mantém-se).
As fatias desta «tarte» são geralmente muito grandes, mas também já cortei em 16 e até dá mais jeitinho para pegar.
Isto é o alimento preferido da minha avó - a sério, é uma paixão. Fiz no Natal e quase era obrigada a repetir no ano novo.  É uma tarte-manipuladora-de-massas (pena que não manipulou a primeira).
Também é extremamente agradável que esteja em quantidades certinhas - das primeiras vezes que fiz fiquei com pacotes de natas e leite gordo a passear no frigorífico, mas adaptei-a aos pacotes de coisas e isso já não acontece.
Fazer a receita é mesmo engraçado, porque 1. bater ovos com açúcar até engrossar é SEMPRE agradável, 2. nunca é demais relembrar o quão opaco o leite gordo é e 3. raspar a panela :)

24 comentários:

  1. Não fora a tarte da fotografia e já ia perguntar se não haveria, por aí, bruxinhas. É que desde o copo que cai e fica de pé, com água e tudo, até às desgraças que a desafortunada tarte sofreu, acabando num "esburrachanço" monumental, tudo vos acontecia.
    Mas não, estavam apenas num dia menos bom!:))

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Que aspecto bom! Gostei muito.
    Grata pela partilha.
    Beijinho
    Cláudia

    ResponderEliminar
  3. Desculpa, isto não se faz! É 13h30 da tarde, hora de almoço..ainda não almocei, acabei de treinar a pouco e deparo-me com essas fotos escandalosamente maravilhosas, e os meus olhos a brilhar para essa tarte??
    Pena que a tua historia inicial..lembrou-me de um certo bolo de chocolate LOOOOOOL, enfim águas pasadas! xD

    Espero que o teu natal tenha sido bom..e um bom ano novo para ti, beijinhos :D

    ResponderEliminar
  4. Olá!!!! =)
    Adoroooo ler seus textos, são tão deliciosos quanto suas receitas!
    Peripécias na cozinha acontecem em todo lugar, feliz quando geram resultados inesperados!!!
    Beijos e boa semana pra ti! =)

    ResponderEliminar
  5. Se eu pudesse roubava uma fatia!
    Bem e essa do copo, parece coisa paranormal...rs

    ResponderEliminar
  6. Os acidentes na cozinha são tão, mas tão frustrantes!!!
    Ainda bem que voltaste a tentar... está deliciosamente bem aparentada :)

    ResponderEliminar
  7. Lol.
    Na consoada, tinha para a sobremesa um cheesecake de peras e especiarias. como não o consegui desenformar (sem estragar a base) resolvi servi-lo com a base e coloquei num prato. escusado será dizer q a base escorregou e o cheesecake caiu "de pé" para o chão. Não estava direitinho pois caiu de mais de um metro de altura... mas foi todo comido,
    Esse flan está com óptimo aspecto! Fatias perfeitas! e gigantes como gosto!
    Feliz 2015!

    Beijinhos

    Sílvia

    ResponderEliminar
  8. Que aspeto apetitoso, gosto tanto de tartes. A tua ficou com ótimo aspeto.

    ResponderEliminar
  9. Olá avelã...

    A vossa tarte (feita em duo, presumo então) está maravilhosamente boa!!!
    Eu já costumo fazer uma tarte desse género à muitos anos mas não me anda a agradar ultimamente, porque fica muito baixinha e o sabor é sempre mais do mesmo... Acho que tal como tu é da repetitividade (não sei se esta palavra existe) :-)
    Por isso e como o meu filhote está prestes a fazer anos e esta vossa tarte parece-me para lá de boa, alta e se tem o tal toque baunilhado que a minha não tem... Acho que vou apostar nesta receita!!! A que eu faço não leva bagens de milho, não leva vinho do porto e não leva natas... Acredito que isso possa fazer a diferença e muita :-)
    Agora só uma perguntinha... O facto de ser leite gordo faz alguma diferença na confecção da tarte? Porque eu nunca uso leite gordo em nenhum doce, aliás, nem em casa para nada... É sempre meio gordo!!!
    A minha sogra tem uns preparados de tarte patissier que veem de França, a verdade é que aquela porra até é boa... Dá para fazer leite creme e tudo... O sabor desta será do género disso??? (sim, eu sei que não adivinhas avelã... Eu e as minhas perguntas difíceis) :-) É que esse preparado realmente sabe a baunilha e é muita bommmmm...
    Quanto aos desastres culinários uuuuuiiiiiiii... Acontecem-me tantos que nem é bom!
    E engraçado foi o copo ter caído ao chão e não ter partido :-) A tua irmã é uma sortuda! Mas pelo sim pelo não que faça como eu e que leve uma garrafa fechadinha com tampa, eu sou uma desastrada de 1ª categoria por isso nunca me passaria pela cabeça levar um copo e deixá-lo assim só pousado...
    Beijinhos para as manas avelãs, umas excelentes doceiras (parece-me) :-) eheheheheheh!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que dizes parece ser tarte de nata! Eu gosto muito mais desta :P tarte de nata já comi algumas vezes mas nunca fiz, não me agrada assim tanto... Mas até acho piada à ideia de "nata gigante" :P Em comparação com uma tarte de nata esta é bastante mais alta e com uma textura mais cremosa... O sabor também é difererente. No aspecto até são parecidas... Mesmo assim acho-as bem diferentes :) Imagino que a tua seja também deliciosa, mas se queres variar um bocado aconselho vivamente a que experimentes esta. Já a vou fazer outra vez esta semana :P
      Em coisas destas prefiro usar leite gordo, mas acho que meio gordo também dá. Eu compro de propósito para fazer - eu não bebo leite, leite gordo então abomino :P Aquilo para beber é horrível! Em minha casa bebem magro, mas esse nem quero tentar, parece que os cremes ficam deslavados e nojentos, um bocado cor de rato. Com meio gordo já fazia :)
      A tentar adivinhar eu até dizia que sim, se for para tarte "patissier" deve ser bastante semelhante :) dentro da mesma coisa há variações, mas deve ter muito em comum! Não sei como é para fazer leite creme e isso, mas se eu pusesse isto num prato em vez de massa folhada ninguém se fazia rogado :P Mas vê lá se não é só creme de pasteleiro! :P
      O sabor disto é bastante suave e típico, sabe bastante a baunilha, tem uma textura "rica", firme e densa mas macia :) experimenta! :D
      Haha "manas avelãs" :P obrigada pelo comentário (e espero que faças a tarte)! :)

      Eliminar
    2. Eu pus em cima 'bagens de milho' ahahahahahah...
      Sim, a tarte que eu faço é de nata, mas já percebi que apesar de ser parecida com essa, em sabor são bem diferentes... E sim, eu já apontei a receita e vou mesmo fazer para o aniversário do meu filho que está para breve :-) O ano passado fiz a de nata e toda a gente gosta, mas assim aproveito e faço um parecida mas diferente em sabor e altura e depois digo-te os elogios feitos :-)
      Realmente com leite magro a coisa deve ficar mesmo muito aguada... Olha, eu vou experimentar com leite meio gordo que é o que tenho em casa e depois também te dou o feedback...
      E não é creme de pasteleiro a tal saquinha que vem de frança, é mesmo um preparado dessa tarte, diz mesmo o nome na caixa, mas também dá para fazer conforme manda lá nas instruções e verter para tacinhas e até caramelizar com o ferro e fazer leite creme... Fica um leite creme baunilhado sem massa folhada... É bom, isso é!
      Beijinhos grandes***

      Eliminar
  10. Ai Avelã, adoro sempre as tuas histórias! Rio-me sempre com os teus posts e comentários... Até te perdoo as tentações que publicas...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Não imaginas como é reconfortante saber que há gente tão trapalhona como eu na cozinha!
    Ver uma coisa destas logo a seguir ao almoço... Fiquei cheia de vontade de comer uma fatia.

    ResponderEliminar
  12. Ai, eu amo o teu jeito de escrever! <3 Sei nem o que comentar mais. Adoro as histórias, sempre me faz rir! Blog lindo de querido ♥ Amo, amo, amo o capricho!

    ResponderEliminar
  13. Essas fatias enchem qualquer olho e barriga ;) Ficaram maravilhosas!
    Beijinho

    Recanto com Tempero
    http://recantocomtempero.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Amei esta tarte!

    beijinhos

    food&emotions
    http://fefoodemotions.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  15. Avelã,
    Antes de coscuvilhar o teu blog, a 1ª coisa que fiz foi aderir, porque logo na 1ª página fiquei impressionada, e a 2ª foi procurar o teu flan patissier, e sim, não fica nada atrás do meu. Alias pareceu-me tão bom que vou agenda-lo para fazer qualquer dia, quiçá este fim de semana.
    Bjkas
    Tila

    ResponderEliminar
  16. No meio de tanto azar, a tarte fez sucesso. Até eu, que não sou fã de natas e leite, sou capaz de experimentar. Tem óptimo aspecto :)

    ResponderEliminar
  17. E a masSa folhada/quebradA E necessario pre cozinhas antes d colocar o creme?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, eu coloco o creme na massa ainda crua e só depois levo ao forno :)

      Eliminar
    2. E o creme pode ir logo para o forno ou tem de arrefecer?

      Eliminar
    3. Vai logo ao forno, não é preciso arrefecer ;)

      Eliminar
  18. Obrigada!! 😊😀 melhor blog d smp!!! ❤❤❤

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...